terça-feira, 28 de abril de 2009

Urubici - Parte 1

Urubici localiza-se na serra catarinense e é tido como o município mais frio do Brasil. É um lugar pequeno, com cerca de 10 mil habitantes, mas encantador para quem aprecia belezas naturais e turismo rural. O potencial turístico do município começou a se desenvolver há pouco mais de 10 anos, então, já existe uma boa estrutura de pousadas, mas pouco comércio e restaurantes.

Quatro dias em Urubici foram suficientes para ver a maioria das atrações e fazer algumas trilhas. Para quem gosta de trekking, aliás, Urubici oferece farta programação. Para quem não gosta, a boa notícia é que se chega até a grande maioria das atrações com o carro também. Mas prepare-se para uma faxina completa nele na volta. Os atrativos localizam-se na área rural e você vai andar por muita estrada de chão.

Como chegar:
Vindo de Porto Alegre, você tem algumas rotas possíveis:

1) A mais curta, com 371Km é também a que está em piores condições. Não recomendo. Por esta rota, você vai pela BR-116/RS-239 ou pela RS-020 até Taquara e pela mesma estrada até São Tainhas. Depois RS-453 até Cambará do Sul. A partir dali é estrada de chão até São José dos Ausentes e São Joaquim. E estrada muito, mas muito ruim. Em São Joaquim, rodovia asfaltada novamente até Urubici (SC-430).

2)Uma rota alternativa é seguir pela BR-101 e subir a Serra do Rio do Rastro (SC-438). Me parece uma rota um pouco mais complicada, porque é preciso entrar em Criciúma (SC-446) e passar por várias cidadezinhas. Dá uns 450 Km no total. Com as obras da BR-101 pode ser uma má alternativa. Se alguém tentar, pode enviar depois um comentário pro blog.

3) A rota que escolhemos foi pela BR-116 até São Leopoldo, depois pela RS-122 até Caxias do Sul e de lá novamente pela BR-116, passando por Vacaria e seguindo até Lages. Em Lages, é possível pegar a BR-282 até Urubici ou ir por São Joaquim. Por São Joaquim a paisagem é mais bonita e a estrada é melhor, mas são 40Km a mais. Por Lages são 457 Km de Porto Alegre até o destino final. A estrada está em boas condições, mas você vai pagar por isso: R$ 24 em 4 pedágios na ida e R$ 26.40 em 5 pedágios na volta. Levamos cerca de 6 horas.

Onde ficar:
Via de regra não é necessário efetuar reserva prévia. Existem várias pousadas no município, tanto na área urbana quanto na rural. Nós fizemos reserva porque não queríamos perder nosso maravilhoso sábado de sol procurando lugar para ficar. Ficamos na pousada Café no Bule, super bem localizada, numa travessa da rua principal. Sem luxo, mas bem aconchegante e com uma cama com ótimo colchão. O que percebemos é que quem chega cedo não encontra dificuldades para hospedagem. Quem deixar pra procurar depois das 18h em um sábado, pode se dar mal. Se for na alta temporada então (julho), só com auxílio do Centro de Informações Turísticas (pelo menos foi o que nos disseram).


O que é IMPERDÍVEL:
Se você tiver um dia apenas em Urubici e esse dia for de sol, a primeira coisa que você precisa fazer é ir até o Morro da Igreja, que com seus 1.828 m, é o ponto mais alto habitado do sul do Brasil. Lá estão instalados equipamentos do CINDACTA II, que controla o espaço aéreo da Região Sul e adjacências. Mas o mais importante é que é de onde se tem a melhor visão a Pedra Furada, cartão postal do município e a foto central da montagem que acompanha esse post.

Para chegar até lá é fácil: no único semáforo da cidade vire à direita. Siga pela estrada de chão (uns 10km). Existe uma placa indicativa, mas quando surgir um pedaço de asfalto, você deve virar a direita. Os próximos 15Km são asfaltados. Não é preciso caminhar quase nada para ter a visão da foto.

O único "porém" é que é bem comum você sair da cidade com sol e chegar no Morro da Fumaça com nevoeiro. Nós mesmos pegamos uma névoa que durou o dia inteiro no dia em que fizemos a Trilha da Pedra Furada.

Outras Atrações:

O segundo ponto de visitação mais importante (na minha opinião) é o Morro Campestre (as placas falam em Morro Campestre, mas os nativos chamam de Morro da Cruz). Lá existe uma "mini" pedra furada, na qual você chega pertinho sem necessidade de percorrer uma trilha de 2,5 horas. Se você tiver um veículo 4x4 chega bem próximo de carro, se não tiver, vai ter uma subidinha de 1.500m. Nós chegamos nele caminhando, por uma trilha que batizamos de "Trilha do Morro Campestre".

As fotos que ilustram esse post são de lugares de visitação: Mirante, Cascata do Avencal, Morro Campestre, Caverna do Rio dos Bugres e Cascata Véu de Noiva.

Onde comer:
O melhor lugar, sem sombra de dúvida, é a Pizzaria A Cor da Fruta. Por R$14.50 (preço de abril/2009) você saboreia um rodízio de pizza excelente, com direito a sopa, bolinho de aipim, batata frita, lasanha e o melhor: pizza de sorvete. Serviço ultra-rápido e atendimento excelente, as garçonetes são uma simpatia. Se você for em um dia com pouco movimento, então, terá o privilégio de usufruir de um rodízio de pizza a la carte. Você pede 4 sabores por pizza até cansar. E não demora.

Fomos também no Restaurante Zero, mas depois de esperar 1 hora e 20 minutos pelo pedido (e não era nada sofisticado: truta grelhada, arroz, fritas e salada), não tenho muitos elogios pra fazer. A comida é boa, mas foi um exercício da virtude da paciência.

Durante a nossa estadia, optamos por não almoçar, porque usávamos o dia para os passeios, então pegamos sanduíches e brigadeiros na Padaria Vó Maris (pertinho da pousada). Bom e barato.

Temperatura
O clima é temperado. À noite é sempre fresquinho. A temperatura mais baixa enquanto estivemos lá foi de 11ºC, mas em julho costuma nevar. Já se registrou, em 1996, -17ºC. Por outro lado, no calor é bem quente, segundo dizem.

2 comentários:

Regiane disse...

Olá Ane, sou natural de Urubici e esotu fazendo uma reportagem para a faculdade sobre o turismo na Serra Catarinense (sou estudante de jornalismo), estava procurando algo pra complementar as pesquisas que fiz e encontrei o seu blog. Só quero agradecer a sinceridade ao falar de Urubici, é bom ouvir elogios e críticas para que se possa sempre melhorar o atendimento àqueles que procuram um local simples mas com bom atendimento. Inclusive, vou dar uma conversadinha com o pessoal do zeroº pra ver se eles agilizam os pedidos e quem sabe mudem o cardápio para pratos mais exóticos e típicos da região(risos). Mais uma vez obrigada, e quando sentir falta do ar fresco da serra Urubici estará de porta abertas.

Ane Callegaro disse...

Regiane,
que bom que encontraste o blog. Minha intenção foi contar da minha experiência, que foi ótima, diga-se de passagem, na cidade e divulgar Urubici no RS, pois aqui é um destino pouco conhecido.